FANDOM


Nuvola apps bookcase
Este artigo é parte do Deslivros, a sua biblioteca livre de conteúdo.
Ficheiro:Panela tradicao colonial caipira.jpg

Capítulo 1 - A Panela Editar

Essa é a história de uma velha panela que faz comida boa, mas que entretanto só ecsiste na imaginação fértil de um velho senhor morador da terra dos sonhos. Esse indivíduo carece de fontes sobre a existência dessa tal panela, embora insista que ela existe, pra que ele possa saciar sua fome.

Após séculos procurando essa assadeira, ele contratou os serviços de George Foreman, que deu a ele um de seus grills pra que ele pudesse parar de sonhar com a panela. Mas ele ainda assim queria aquela panela coroa, que fazia o pão que o diabo amassou.

Assim, entristecido, esse senhor acabou por ter crises, em busca de uma panela de pressão pra aliviar a sua pressão, que estava nas alturas das Hosanas celestiais em busca do elo perdido e da coxabamba. E assim, de coxa bamba, ele seguiu para o segundo capítulo. Entendeu algo? Pois é...

Capítulo II - O Rei Editar

Ficheiro:Panela Knut.png

O velho suspeitou de um rei viking muito antigo, que supostamente queria comer seu caldo de galinha Maggi. Irritado, ele decretou traição e tentou mandá-lo pro paredão, só que um profeta apareceu e disse ao velho: "Você perdeu a sua vida, meu irmão! Você perdeu a sua vida, meu irmão! Você perdeu a sua vida, meu irmão! Essas palavras vão ficar no coração, e eu vou sofrer as consequências como um cão!".

Chateado, o velho buscou a sabedoria japonesa, que lhe ofereceu um miojo pra ele comer, mas sem encontrar a panela, não haveria como conseguir nada. E assim, eu termino o segundo capítulo.

Terceiro capítulo - O Assassino Editar

O velho acabou por cair no Clube da Luta. Lá, conheceu um loiro que parecia o Brad Pitt. Esse cara estava bem gordinho, mas era um assassino de marca maior. Pra piorar, diziam que tinha sangue de purtugueix. Assim, o pobre velho ficou assustado, pois sabia que esse cara não o iria ajudar na jornada pela panela imaginária. Que peninha sinto dele! E aí... num momento de sagacidade, o grande velho teve uma idéia.

4º - O Honório Editar

Ficheiro:Alhazred tunaktunaktun.jpg

O velho decidiu dar o honório pra todos aqueles que ele suspeitava. Ele via em todos os cantos pessoas dispostas a lhe arrancar a panela invisível. Assim, um muçulmano tentou aliviar o problema desse velho, mas por um diabo o velho achou que ele queria dar um golpe fatal nele. Aí...

Número 5 - O Lanche Cru Editar

Desesperado de fome, o velho decidiu comer de vez o seu miojo, mas ele tava com gosto de mijo por estar cru. Por fim, algum carinha, parecendo um repórter, quis comer seu lanche, ferrando o pobre coitado de vez. Assim, depois de um acidente nuclear, o velho se tornava um terrível inimigo de tudo e todos, destemido e temido no Distrito Federal! Tudo dizia que ele era imortal. Mas...

O número do Capeta - O Vilão Editar

Um dia, um carinha de máscara preta e laranja se aproximou do velho. O velho disse que ele queria comer todo seu lanche, mas aí, ao tentar dar um quebra nele, o velho acabou indo pro inferno. Acabado, sem saber o que fazer, ele acabou bebendo com o Jeremias. Morreu de overdose após tomar 2 copos de cerveja sem álcool. Antes pediu pra um cara doido vestido de super-herói escrever essa história, mas o cara achou a coisa mais inútil do mundo e publicou num site de piadas. Pena que ninguém vá entender essa bosta.

FIM! Mas você tava louco pra que chegasse o fim, hein?

O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.