FANDOM


Nuvola apps bookcase
Este artigo é parte do Deslivros, a sua biblioteca livre de conteúdo.
Ficheiro:Capa As Melhores Piadas do Doutor Roberto.jpg

Outro dia, numa conversa de cachaceiros gênios da humanidade lá num boteco intervalo de almoço do trabalho, Doutor Roberto me contou umas piadas muito engraçadas que até Chuck Norris riria delas. Tão engraçadas que eu resolvi fazer um livro sobre elas. Ele já foi lançado pelo selo DescicloBooks, responsável por sucessos de vendas como O Doce Veneno da Aranha e a série O Guia dos Furiosos, compêndios totalmente inúteis que o deixam furioso por ter gasto uma dinheirama nessa porcariada!

Ficheiro:Dr roberto-jeremias-mesa.jpg

Prefácio Editar

Loira doenteEditar

— Ai, doutor... eu tô mal... Não paro de espirar, tô com febre, tosse, dor de garganta... Atchim! Viu, doutor???
— Calma, filha... isso é só uma gripe, você vai tomar esse remédio e volta daqui uma semana.
— Que remédio, doutor??? Eu só tô vendo um papel e uma caneta???
— Er, eu anotei aqui o nome do remédio. Você vai em uma farmácia e compra, tá???
— Ah, bom!
Uma semana depois…
— Ai, doutor! Continuo péssima.
— Você comprou o remédio?
— Comprei, sim.
— E tomou direitinho???
A loira se irrita:
— Como, doutor, se no vidro dizia "MANTENHA SEMPRE FECHADO"???

Mulher peladaEditar

Está um calor dos diabos e três garotos estão voltando da escola. Curiosos, os meninos olham por uma fresta no muro de uma casa e veem uma bela garota na piscina, totalmente pelada. Lógico, os garotos param para olhar a cena (se fossem mais velhos seria a mesma coisa). De repente um dos garotos sai correndo para casa, os outros dois se assustam e vão embora também.

No dia seguinte, a moça está de novo pelada na piscina e os três moleques olham por uma fresta. Mesma coisa, o garoto sai correndo para casa e os outros dois vão embora também. No terceiro dia acontece a mesma coisa. Mas na hora em que o garoto vai sair correndo, os outros dois o seguram e perguntam:
— O que foi? Você não gosta de ver mulher pelada?
— Lógico que gosto!! – responde o garoto. — Mas minha mãe disse que, se eu ficar olhando mulher pelada, eu vou virar uma estátua de pedra. Então, quando eu percebo que estou começando a endurecer, eu fujo!!

Presente da loiraEditar

A loira tinha um aniversário pra ir, só que ela não sabia o que dar de presente. E, mesmo se soubesse, não tinha muita grana. A moça pensou, pensou, e teve a ideia de dar algo barato mas muito útil: uma caixa de fósforos!

Ela vai pra festa, curte a noite e, uma semana depois, encontra-se com o aniversariante e pergunta o que ele achou do presente.
— Olha... pra ser bem franco – diz o presenteado –, os fósforos que você me deu não estão funcionando!
— Como não? – indignou-se a loira. — Eu testei todos pes-so-al-men-te!!!!

Loira na lojaEditar

Uma loira chega em uma loja de eletrodomésticos e, apontando, pede:
— Sr., quero levar aquela televisão. Qual o preço?
O vendedor responde, com jeitinho:
— Me desculpe, senhora, mas temos um regulamento na loja: não podemos vender para loiras.
Ela sai indignada, xingando a mãe do cara.
No dia seguinte, retorna à loja, com os cabelos pintados de preto e óculos escuros.
— Sr., quero comprar aquela televisão.
A resposta é a mesma:
— Me desculpe, senhora, mas o regulamento da loja não permite que vendamos para loiras.
Pê da vida, mas também espantada pelo fato de ter sido desmascarada, ela pergunta:
— Mas como o sr. descobriu que eu sou loira?
— Minha senhora... é que aquilo é um micro-ondas...!!

Teste da facaEditar

O ceguinho chegou no restaurante e pediu um cardápio em braile. O garçom, desculpando-se, disse que não tinha. O ceguinho falou:
— Não faz mal: me traz uma faca suja da cozinha, para eu provar a comida.
O garçom achou estranho, mas atendeu ao pedido. Pegou uma faca usada na cozinha, e deu ao ceguinho. Este lambe a faca e comenta:
— Hummm, ótimo tempero. Camarão com arroz à grega. Pode me trazer esse prato mesmo.
No dia seguinte, a mesma coisa:
— Hummm, estrogonofe de frango, batata frita… pode trazer esse prato mesmo!
Passou-se uma semana, sempre a mesma coisa: o ceguinho pedia a faca e dizia o prato. O garçom, querendo sacanear o ceguinho, resolveu armar uma. No outro dia, quando o ceguinho chegou e pediu a faca ao garçom, este pediu pra cozinheira:
— Maristela, eu quero aprontar uma brincadeira com um cliente... Dá pra você passar esta faca na sua... hã... no seu sexo?
A cozinheira achou estranho, mas, como era amiga do garçom, foi até o banheiro e atendeu ao pedido. O homem levou a faca pro ceguinho, todo animado. Este colocou a faca na boca, pensou um pouco e falou:
— Ah, não vai me dizer que a Maristela tá trabalhando aqui!!

Menino videnteEditar

Um homem vai ao quarto do filho para lhe dar boa noite. O garoto está tendo um pesadelo. O pai o acorda e pergunta se ele está bem. O filho responde que está com medo: sonhou que a tia Suzana havia morrido. O pai garante que tia Suzana está muito bem e manda-o de novo para a cama.

No dia seguinte, a tia Suzana morre.

Uma semana depois, o homem volta ao quarto do filho para lhe dar boa noite. O garoto está tendo outro pesadelo. O pai o acorda e pergunta se ele está bem. O filho responde que está com medo porque sonhou que o vovô havia morrido. O pai garante que o vovô está muito bem e manda-o de novo para a cama.

No dia seguinte, o vovô morre.

Uma semana depois, o homem vai, de novo, ao quarto do filho para lhe dar boa noite. O garoto está tendo outro pesadelo. O pai o acorda e pergunta se ele está bem. Desta vez, o filho responde que está com medo porque sonhou que o papai havia morrido.

O pai garante que ele está muito bem e manda-o de novo para a cama.

Mas o homem vai para a cama e não consegue dormir. No dia seguinte ele está apavorado. Tem certeza de que vai morrer. Ele sai para o trabalho e dirige com o maior cuidado, para evitar uma colisão. Ele não almoça, com medo de sua comida estar envenenada. Ele evita todo mundo, de medo de ser assassinado. Ele tem um sobressalto a cada rua e, a qualquer movimento suspeito, ele se esconde debaixo de sua mesa. Espera chegar a meia-noite e só depois volta pra casa. Encontra sua esposa e diz:
— Meu Deus... Tive o pior dia de minha vida!
Ela responde:
— Você acha que o seu foi o pior? E o meu? Nosso motorista morreu bem aqui na porta de casa, hoje de manhã!!!!

JumentoEditar

Era uma família muito conservadora, daquela que tentava poupar os filhos da exposição do sexo na mídia. Os pais eram tão preocupados com isso, que sempre iam passar as férias na fazenda, onde o ambiente era mais recatado... Mas como é impossível fugir do inevitável, o menino ia passando com a mãe pelo pasto, quando viu um jumento excitado.
— Mãe, o que é aquilo embaixo do jumento?
— Vamos embora, filho! – respondeu a mãe, envergonhada!
— Mãe! Mas eu quero saber o que é aquele negócio embaixo do jumento.
A mulher, constrangida, tentou desconversar:
— Ah! Aquilo não é nada!
Ouvindo isso, um peão que estava ao lado não se aguenta e dá um pitaco:
— Dona, a senhora me adiscurpe, mas se aquilo não é nada, o seu marido deve ser um fenômeno!

Cantando loirasEditar

Se você pretende passar um cantada numa loira, o grande problema é: será que ela vai entender?

— Oi gata... Qual é seu telefone?
— Tim. E o seu?

— Uau! Isso aqui é uma calçada ou uma passarela de moda?
— Hum, agora você me pegou... É que eu não sou daqui; então não sei te informar...

— Eu não tiro o olho de você!
— Ainda bem, né? Senão eu fico cega!

— Nossa! Eu não sabia que boneca andava!
— Sério? Nossa, você tá por fora, hein? Já tem até Barbie que anda de bicicleta!

— Que curvas, hein!
— Nem me fala... Eu bati o carro 7 vezes pra chegar nessa festa!

— Esse seu vestido vai ficar lindo jogado no chão do meu quarto!
— Quer comprar um igual pra fazer um tapete? Eu te indico a loja...

— Meu coração disparou quando eu te vi!
— Socorro! Alguém ajude! O moço está tendo um ataque cardíaco!

— Eu quero o seu amor, gata!
— Espera só um pouquinho... Amô-or! Tem um moço aqui querendo você!

— Tem fogo?
— Fogo? Aonde? Socorro!!! A boate tá pegando fogo!!!

— Quer beber alguma coisa?
— Ai, que bom que você apareceu, garçom!

— Me dá seu telefone, vai!
— Socorro! Um assalto!!!

Aeromoça loiraEditar

No meio de uma longa viagem, a aeromoça loira pergunta a um dos passageiros:
— O senhor aceita uma Banana Split?
— Não, obrigado. Eu sou diabético!
— Então, que tal um pudim de leite condensado?
— Eu não posso! – repetiu ele. — Sou diabético!
— Tudo bem – tornou a aeromoça. — Que tal a sugestão da casa, ou melhor, do avião: uma deliciosa mousse de chocolate, com cobertura de chantilly?
— Moça, você não está entendendo – disse ele, começando a se alterar. — Eu sou diabético!
— Ah, eu sei de uma coisa que o senhor vai adorar... Nossa torta holandesa! Uma delícia...
— PUTA! – grita ele, batendo no braço da poltrona. — Eu já falei umas mil vezes que sou diabético! Será que você é surda? Eu não posso comer essas porcarias, sou diabético. EU SOU DIABÉTICO!!!
— Regina! – grita a aeromoça, chamando uma de suas colegas. — O moço aqui tá uma pilha de nervos! Traz uma água com açúcar pra ele...

LógicaEditar

O garoto apanhou da vizinha, e a mãe, furiosa foi tomar satisfação:
— Por que a senhora bateu no meu filho?
— Ele foi mal-educado e me chamou de gorda.
— E a senhora acha que vai emagrecer batendo nele?

Regime de emagrecimentoEditar

— Doutor, como eu faço para emagrecer?
— Basta a senhora mover a cabeça da esquerda para direita e da direita para esquerda.
— Quantas vezes, doutor?
— Todas as vezes que lhe oferecerem comida.

EmergênciaEditar

Um eletricista vai até a UTI de um hospital, olha para os pacientes, ligados a diversos tipos de aparelhos, e diz-lhes:
— Respirem fundo: vou mudar o fusível.

Novas palavrasEditar

Joãozinho estava chegando da escola e viu a mãe dele gritar:
— Porra, quebrei minha unha!
O guri estranhou aquele palavreado e perguntou:
— Mamãe, o que é porra?
— Ééé... visita, filhinho! – ela respondeu, desconcertada pelo flagrante.
No dia seguinte, ele ouviu a mãe gritando:
— Caralho, o vaso quebrou!
O menino estranhou novamente e perguntou:
— Mamãe, o que é caralho ?
A mãe, que de novo não havia visto o Joãozinho por perto, respondeu com outro sorriso amarelo:
— Ééé... cadeira, filhinho!
No outro dia, viu a mãe gritando:
— Buceta, meu batom acabou!
Joãozinho estava novamente por perto e perguntou:
— Mamãe, o que é buceta?
— Ééé... banheiro, filhinho! – a mãe respondeu, se tocando de que o moleque estava por perto mais uma vez.

Na semana seguinte, a mãe falou:
— Filho, hoje temos uma visita muito especial: a minha chefa! Por isso, eu quero que você se comporte com a educação que eu lhe dei!
Joãozinho concordou com a mãe e, quando a visita chegou, ele disse:
— Porra! Senta no caralho que minha mãe tá lavando a buceta!

AdvogadoEditar

Dois caras estão andando pelo cemitério, quando passam perto de uma lápide:
"Aqui jaz um homem honesto e competente advogado".
Surpreso, um pergunta:
— Desde quando estão enterrando duas pessoas na mesma cova???

As férias do advogadoEditar

Um advogado e um engenheiro estão de férias no Caribe. O advogado puxa assunto:
— Estou aqui porque minha casa foi destruída por um incêndio. O seguro pagou toda a viagem!
— Que coincidência! Minha casa também foi destruída por um terremoto, e o seguro me bancou essa viagem.
O advogado, surpreso:
— Como você fez pra provocar um terremoto!?

Máquina sabe-tudoEditar

Um homem vai ao médico. Ele tem uma dor no braço direito. Chega no médico, conta as dores e o doutor lhe responde:
— Muito bom! Vai testar a minha nova máquina! É só pôr um pouco de urina do paciente nessa máquina que ela avalia na hora!
O Homem, incrédulo, vai ao banheiro e mija no copinho. Volta na sala, dá o exame de urina e entrega ao médico. Ele põe o exame numa caixa da máquina e logo sai um papelzinho:

ADRIANO DA SILVA
IDADE: 36
ARTRITE NO BRAÇO DIREITO

— Como a máquina adivinhou?
— É a tecnologia, senhor!
— Posso trazer um novo exame de urina para ver se não é pegadinha?
— Claro, Adriano!
O homem volta e acontece o mesmo (Adriano da Silva,etc.).
— Tudo bem... Posso amanhã trazer outro exame só para confirmar, doutor?
— Claro!
O homem volta pra casa, pede um pouco da urina da esposa, da filha, pega o óleo do carro, e antes de misturar tudo, bate uma rapidinho e junta no pote.

Lá no hospital, o doutor lhe entrega um papelzinho, com o resultado:

ADRIANO DA SILVA
IDADE: 36
CORNO, FILHA GRÁVIDA DE 8 MESES, O SEU FIAT 147 VAI PIFAR AMANHÃ E, DA PRÓXIMA VEZ QUE FOR BATER PUNHETA, BATE COM O BRAÇO ESQUERDO PORQUE O DIREITO AINDA NÃO SAROU!

O troco no banheiro públicoEditar

Num banheiro público do centro da cidade, ninguém usava papel higiênico: todo mundo se limpava com notas de R$ 1,00 – e isso numa época em que cédulas de R$ 1,00 valiam alguma coisa!

Um belo dia, Joaquim estava apertadíssimo e teve de usar esse banheiro público. Fez o que tinha de fazer e, na hora de se limpar, viu que só tinha uma nota de R$ 50,00.

Sem problema: Joaquim limpou-se com a nota de cinquenta, catou R$ 49,00 do cesto de lixo e foi embora…

P.S.Editar

Ah, quase me esqueci: se Doutor Roberto lhe contou uma piada engraçada, me conte!

O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.