FANDOM


Este artigo é parte do Desnotícias, a sua fonte de ignorância 24 horas por dia.

Ficheiro:Bernardinho2.jpg

BOSTON, BÓZNIA - A Federação Internacional de Voleiboll (FIVB), anunciou hoje mudanças nas regras do jogo para o caso de confrontos envolvendo a seleção brasileira de voleibol masculino.

Tais mudanças teriam sido uma exigência de outras equipes, e uma medida para equilibrar o nível do esporte e evitar a fuga massiva de espectadores (e conseqüentemente de patrocinadores) do voleibol, evitando assim que o esporte perca milhões de dólares em ingressos, direitos de transmissão, etc.

Como os campeonatos sempre são vencidos pela seleção Brasileira, e visando acabar com a alta previsibilidade dos resultados dos jogos, e também evitar o tédio que tomou conta do esporte, a FIVB resolveu baixar as seguintes alterações especiais nas regras do volei, válidas apenas para a seleção brasileira de voleibol:

  1. O técnico Bernardinho fica banido para sempre do esporte.
  2. O Brasil jogará com dois jogadores a menos em quadra.
  3. Os atacantes brasileiros terão que jogar com o braço direito amarrado nas costas.
  4. A equipe brasileira começará os sets com o placar de -15 (quinze negativo).
  5. As medidas da quadra do time brasileiro terão 30% a mais de largura e 100% a mais de profundidade.
  6. O Brasil só poderá dar 2 toques na bola ao invés de 3.
  7. A linha de 3 metros da quadra brasileira será movida para 8 metros.
  8. O time brasileiro não poderá fazer substituições durante o jogo, nem pedir tempo.
  9. Os jogadores Giba, André Nascimento, André Éler, Dante e Gustavo deverão jogar com uma das pernas amarradas para trás.
  10. Para fazer bloqueios ou ataques, os jogadores brasileiros não poderão tirar os pés do chão.

Assim a FIBV espera que seja re-estabelecido o equilíbrio do esporte e conseqüentemente evite-se a perda de interesse por parte do público. As medidas entram em vigor a partir de agosto de 2007 e valerão até que alguma outra equipe consiga superar o Brasil na quantidade de troféus, o que especialistas avaliam deve demorar cerca de 30 a 50 anos.

Fontes Editar

O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.